A Gaiola

0 comentários
Você me disse ainda ontem que nada iria mudar. Mas não era verdade, era? Tudo muda o tempo todo. Eu devia saber.

É difícil não gostar de mudanças. A gente se apega a coisas que não deveria. A uma boneca velha, a uma calça que não serve mais, a um amor que não nos faz bem. A gente tem em si essa certeza de que precisa daquelas coisas parar viver, porque afinal, vivemos tão bem com elas até ali. Não vivemos? Talvez. Mas a certeza das lembranças um tanto turvas ainda é melhor do que olhar para o precipício e ter que se lançar a ele. 

Mas cá estamos nós, dançando na ponta dos pés, nos equilibrando para não cair. Achei que você fosse meu para-quedas. Em vez disso, você se tornou a mão que me empurra.

Então caí. Para o vazio, sentindo o vento cortar meu rosto, fechando os braços em torno de mim para me proteger do baque inevitável. Fechei os olhos, e então me questionei porque estava me privando da vista. Só há dois modos de encarar a queda: ela pode ser o impacto ao final, ou ela pode ser o vôo durante. Escolhi voar. Abri os olhos e os braços e fingi que voava. Tentei me lembrar de aproveitar a vista.

E planei. Descobri que a queda é longa, mas que pior que o mal estar na boca do estômago ao voar é estar sempre na ponta do abismo me preparando para cair. Sei que um dia encontrarei o chão, mas sei também que não há temor nessa certeza. De braços cruzados ou abertos, o baque final vai chegar -- então, por que não aproveitar o caminho? É tudo que tenho, o aqui e o agora, as asas abertas e a paisagem correndo rápido ao meu redor.

No final, acho que te devo um obrigada. Não pelas promessas não cumpridas, não por me ferir, mas por me empurrar sem aviso. Porque sempre fui pássaro, mas ao seu lado, estaria para sempre condenada a viver em uma gaiola.

Programação da Bienal 2018!

0 comentários
Então o momento mais aguardado do ano está chegando! É hora de BIENAL DO LIVRO!

Já posso começar a gritar?

Como faço todo ano, eis aqui minha programação pra quem quiser me encontrar na feira. É importante ressaltar que, além dos eventos destacados abaixo, eu estarei presente em vários outros dias, sempre no estande da Record, da Qualis ou do Eu Leio Brasil! Estarei na feira no primeiro final de semana (3 a 5 de Agosto), na segunda e na quarta-feira (6 e 8 de Agosto) e no segundo fim de semana (10 a 12 de Agosto).

Dito isso, vamos aos eventos!!

03/08, sexta-feira
O que: Encontro de fãs de Romance de Época, com Paola Aleksandra, Babi A. Sette, Marina Carvalho e Lucy Vargas
Onde: Arena Cultural
Horário: 20h
Regras: Limitado à capacidade da arena, por ordem de chegada
Confirme presença no evento

04/08, sábado
O que: Café da Manhã com a GPower
Onde: Qualis Editora (K080)
Horário: 10h
Regras: Limitado à capacidade do estande, por ordem de chegada
Confirme presença no evento

O que: Encontro de Podcasters e Ouvintes
Onde: Estande Ubook
Horário: 14h
Confirme presença no evento

05/08, domingo
O que: Lançamento de "O Incrível Livro de Autógrafos" com a GPower
Onde: Eu Leio Brasil (K092)
Horário: 14h
Regras: Limitado à capacidade do estande, por ordem de chegada
Confirme presença no evento

O que: Lançamento "O Amante da Princesa"
Onde: Editora Record (G028)
Horário: 15h
Regras: 150 senhas serão distribuídas no estande da Record a partir das 10h. Limite de 2 livros por pessoa, sendo um deles "O Amante da Princesa"
Confirme presença no evento

10/08, sexta
O que: Autógrafos com Babi A. Sette
Onde: Editora Record (G028)
Horário: 19h
Regras: 150 senhas serão distribuídas no estande da Record a partir das 10h.
Confirme presença no evento

Quem já estamos ansiosos? Espero ver todo mundo por lá <3 p="">

9 Aprendizados de Escritora

0 comentários
25 de Julho é o Dia do Escritor. Se você está aqui, eu sei que você, como eu, já viu essa data rolando na timeline diversas vezes: tem tipo umas 200 datas diferentes pra dia do livro, e dia do escritor, e se eu for bem sincera, é uma coisa que eu meio que comemoro todos os dias simplesmente por ter coragem de continuar nessa vida.

Mas entramos todos em consenso que dia 25 de Julho é Dia do Escritor, e como esse ano já completo nove anos de carreira (uau, comecei faz tempo!) decidi que nesse dia, faria uma listinha de 9 coisas que aprendi como escritora. Daqui nove anos, se eu ainda estiver nesse caminho (e eu espero que sim) talvez alguns desses aprendizados mudem, ou outros sejam adicionados; mas por ora, eis algumas coisas que essa carreira me ensinou e me ensina todos os dias.


  1. Você não é autossuficiente: acho que todos nós começamos essa carreira meio que achando que podemos dar conta de tudo. Alguns de nós somos forçados a isso, como eu fui, pela falta de informação ou contatos. Mas a verdade é que você não precisa ser tudo. Você não precisa manjar de design e 100% de gramática e você pode e deve confiar em outros profissionais pra que o seu livro saia da melhor forma possível. O que me leva a...
  2. Um livro não se cria sozinho: isso significa que escrever pode ser um processo solitário, mas todo o resto que leva ao produto final NÃO. Procure leitores críticos, leitores betas, profissionais qualificados para cuidarem do seu projeto com você. E sim, isso significa que...
  3. Livro custa dinheiro: e se você, como eu, tiver que começar de maneira independente, então vai ter que colocar a mão no bolso. Não adianta economizar porque o leitor sente essa economia, seja em uma revisão porca, em uma diagramação malfeita, ou em um texto que poderia ser FANTÁSTICO, mas é apenas bom porque a gente poupou na hora de procurar um leitor crítico. Aceitem esse conselho de alguém que publicou MUITOS livros despreparados: você não quer começar sua carreira com um livro mediano.
  4. Muita gente não vai gostar do seu trabalho: e tudo bem. Você não existe pra agradar todo mundo. Nada é unânime. É claro que sua missão deve ser sempre entregar a melhor história possível para novos e antigos leitores, mas muita gente vai criticar o que você faz, e você precisa aprender a lidar com isso. Aceite críticas, saiba desviar do hate, e lembre-se que no final, tudo fica bem se você confiar no que está fazendo.
  5. Você não é o melhor escritor do mundo: e isso não quer dizer que nunca será; significa apenas que aprender a controlar o ego e buscar sempre melhorar é a chave. A gente às vezes se perde achando que está pronto, que está perfeito, e a verdade é que nunca estamos. Uma dose saudável de autocrítica é o que faz a gente melhorar.
  6. Seus leitores são a sua vida: você não teria carreira se não tivesse leitores. Ame e, principalmente, respeite quem está nessa com você. O único motivo pelo qual sobrevivi nesse mercado por 9 anos é porque tive e tenho muito apoio de várias pessoas. Me dói muito ver autores menosprezando o público que os mantém produzindo. Valorize quem apóia seu trabalho.
  7. Outros escritores não são competição: ninguém lê um livro só na vida, e ajudar o seu colega a crescer não vai minar seu espaço, e sim ajuda-lo a crescer. Eu me apoiei MUITO em outros autores ao longo desses anos, e juntos nós crescemos muito mais rápido do que teríamos conseguido separadamente. O que me leva a...
  8. Apoie a literatura nacional: o que não significa que você precisa amar e babar ovo em cima de todos os livros que são publicados, mas que, se nem VOCÊ lê o que é publicado aqui, como você pode esperar que outras pessoas leiam? Compre livros nacionais. Indique autores. Alimente o mercado para que ele tenha espaço pra você. E por último, e mais importante...
  9. Acredite em você: nem todos os dias serão fáceis. Você provavelmente vai pensar em desistir umas 10 vezes por dia. Viver de literatura não é um caminho simples e pode ser bastante cruel. Mas com trabalho árduo, muita paciência e persistência (além de uma boa dose de sorte, não nego) a gente chega lá. Se é isso que você quer pra você, se você confia no seu potencial, não desista. Juntos, nós caminhamos!
Feliz dia a todos os meus amigos autores que vem trilhando esse caminho comigo. E a você, leitor, que faz essa carreira possível: meu mais sincero obrigada.

Surra de Eventos

0 comentários
Hoje não teve texto inédito por aqui (mas você pode receber coisas novas toda semana me apadrinhando no Padrim) mas quero aproveitar o espaço aqui pra falar de uma coisa que eu amo fazer e que em Julho e Agosto vai ocupar cada segundinho disponível dos meus dias: EVENTOS!

Essas próximas semanas estarão repletas de programação cultural aqui em São Paulo e estou muito feliz de participar de várias delas! Então, se você é daqui, veja os próximos eventos que eu vou participar ;)

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Mais Literatura é um grande bate-papo com vários autores organizado pelo blog De Boca Cheia que vai contar com o apoio de várias editoras. Além das mesas de debate, ainda vão rolar muitos sorteios. Importante frisar que não vai rolar venda de livros no evento, então quem quiser autógrafos tem que levar seu exemplar ;)

Quando: 21 de Julho de 2018
Onde: Unibes Cultural - Rua Oscar Freire, 2500, do lado do metrô Sumaré
Que horas: 14h


Já no Domingo Offline a proposta é bem o que o nome diz: ficar offline por algumas horas. Vamos nos desconectar em um piquenique gostosinho, falando de livros e botando as fofocas em dia. O evento é pago, e o ingresso te garante participação nos sorteios e também a comilança do dia, toda por conta da organização!

Quando: 22 de Julho de 2018
Onde: Espaço Vivartte - Praça Vicente Celestino, 364, Barra Funda - SP
Que horas: 13h


Já tem vários anos que participo da Semana do Livro Nacional aqui em São Paulo, e esse ano não vai ser diferente. Estou muito ansiosa pela edição 2018, que vai ser na Livraria Cultura da Avenida Paulista e vai contar com um time incrível de autores pra falar sobre literatura! Só quem já frequenta o evento há anos sabe o quanto ele é divertido. Se você nunca participou, sua chance é essa!

Quando: 28 de Julho de 2018
Onde: Livraria Cultura do Conjunto Nacional - Avenida Paulista, São Paulo, SP
Que horas: 16h


Parece ontem que rolou a edição do Rio, mas a Bienal do Livro de São Paulo deste ano já está quase aqui! Em apenas três semanas, vamos invadir o Anhembi com muitos livros e amor. Minha programação completa está aí na imagem, e estou muito feliz e animada em participar da programação oficial da Bienal neste ano! Além dos horários oficiais, também estarei na feira na quarta-feira, dia 8 de Agosto, e nos dias 11 e 12 de Agosto, ainda sem programação fixa.

Quando: 3 a 12 de Agosto de 2018
Onde: Pavilhão de Exposições do Anhembi, São Paulo, SP
Que horas: das 10h às 21h

Seja luz

0 comentários
Não chore, menina. Essa solidão vai passar. É coisa de quem carrega um oceano inteiro no coração — a gente as vezes perde a dimensão dos sentimentos. Transforma gelo em iceberg, ilha em continente.

Não se aborreça, menina. Essa dor vai passar. Não culpe o buraco negro em sua mente: lembre-se que ele suga tudo ao seu redor, mas sem os buracos negros, não existiriam as super-novas. Você não é o fim de tudo, a escuridão completa, e sim uma estrela esperando para nascer.

Não se entregue, menina. Esse amor um dia vai se encontrar. Algumas pessoas nasceram para ser planetas, orbitando sempre no mesmo espaço, mas você não. Você não tem culpa de ter a galáxia na alma, um universo inteiro dentro de você. Abrace sua imensidão e espalhe-se.

Seja profunda. Seja intensa. Seja luz. Seja você.
 
Larissa Siriani | Copyright © Design por Naiare Crastt • Mantido pelo Blogger