Blecaute

Escrevi esse texto ontem, durante as horas que passei no escuro enquanto a companhia elétrica trocava um poste aqui perto. Fiquei pensando em como era chato ficar sem luz, e em como isso não costumava ser chato, e no que haveria mudado. E então, saiu isso. Espero que gostem :)

A filha no computador, fones no ouvido, concentrada na difícil tarefa de falar com cinco amigas, ao mesmo tempo em que perseguia cada passo de sua mais recente paixonite no Twitter. A mãe sentada à sala, assistindo sua novela, enquanto o arroz cozinhava na panela elétrica. O pai trabalhava no laptop. Até o cachorrinho da família corria atrás de um gato no seu tablet.
Então um estampido. E o blecaute.
Silêncio.
A filha rapidamente migra pro celular, enquanto a mãe corre atrás de uma lanterna, e o pai resmunga para o modem 3G. Mas logo as pilhas acabam, a bateria se esgota e a mãe sentencia o que ninguém queria ouvir:
- Esqueci de comprar velas.
Um muxoxo de frustração.
- E pilhas? Não tem mais pilhas?
- Só essas. Recarregáveis.
Silêncio. Escuro. Monotonia.
Cada um no seu canto, pensam em tópicos vazios de conversa, mas ninguém fala nada. O escuro incomoda, mas pelo menos, no escuro, ninguém encara ninguém.
A filha chega à conclusão de que é bem mais fácil ser sociável com a TV ligada. Os pais concordam.

3 comentários:

  1. Oi Larissa!
    Eu sei que eu estava sumido rsrsrs A correria do dia-a-dia ficou muito intensa de uns dias pra cá...
    Achei bem interessante esse conto e ele nos mostra o quanto ficamos tão fissurados com nossos pequenos mundinhos, seja virtuais, ou até mesmo reais e quando há algo que nos arranca deste mundinho bruscamente, parece que ficamos sem muita opção...
    Mas fazer o quê? Ninguém pede para um blecaute acontecer, não é? rsrsrsrs
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Pois é Princesa!
    Quanta falta faz o tempo de eu criança a brincar, à noite, na rua de casa, com todas as outras 40 crianças do quarteirão. Era tanta a variedade de alternativas, e quase todas sempre preferidas. Ciranda, De-Marré, Bandeira (similar ao futebol americano, mas invertido: tem que invadir o campo do adversário, pegar a Bandeira lá no final e voltar com ela para o nosso campo. O jogador vira estátua (congelado) se for tocado pelo jogador adversário no campo adversário. E para descongelar, um jogador do mesmo time tem que invadir o campo oponente para descongelar o companheiro.
    Há de ter estratégia. Invadir em bando para que um consiga, mas não pode deixar de proteger também a sua Bandeira. Era o meu preferido.

    Tempo que não volta atrás. Tempo onde a tranquilidade era serena. Mamãe não se preocupava. Ninguém se preocupava, pois tudo e todos eram conhecidos.

    Hoje mesmo sem apagão, se a web ou a sky sai do ar, fica faltando um pedaço da gente.

    Éramos felizes, e sabíamos disso, numa alegria inata.

    Um beijo, Princesa!
    Lustato Tenterrara
    Amor & Poesias Messenger Love & Passion of Lustato Tenterrara

    ResponderExcluir
  3. A pura realidade dos dias elétricos de hoje. Falta luz e acaba a energia (elétrica ou não).

    Beijos,
    Aimee

    ResponderExcluir

 
Larissa Siriani | Copyright © Design por Naiare Crastt • Mantido pelo Blogger